Cotas sociais e raciais são tema do VII Fórum de Graduação da FMVZ da USP

0
227

Reitor da Faculdade Zumbi dos Palmares participou do debate

Na última quarta-feira (23), o evento gratuito e aberto ao público, teve como tema um debate que se intensificou na universidade após aprovação das cotas sociais e raciais em seu vestibular, a FUVEST. A medida foi adotada após apresentação de nova proposta pelo Núcleo de Consciência Negra da USP na última sessão do Conselho Universitário (CO), instância máxima de deliberação, realizada há pouco mais de um mês, que aprovou cotas sociais e raciais a partir do vestibular de 2018.

Com finalidade de participar desta discussão e propor sugestões para a nova realidade da USP, os professores Mayra Elena Ortiz D’Ávila Assumpção, presidente da Comissão de Graduação e Ricardo Augusto Dias, presidente do Núcleo de Direitos Humanos da Faculdade, organizaram a atividade que contou também com a participaçãodo professor José Vicente, reitor da Faculdade Zumbi dos Palmares e com o presidente do Centro Acadêmico Moacyr Rossi Nilsson (CAMRN), Luiz Felipe Venosa.

A abertura do evento ficou por conta do diretor da Faculdade, José Antônio Visintin, em seguida uma palestra ministrada pelo professor José Vicente introduziu a temática ao Fórum, que teve continuidade com um debate do qual participaram também os professores organizadores e o presidente do Centro Acadêmico.

“Serão 37% das vagas destinadas as cotas raciais e sócias. Uma boa nova que que certeza irá contribuir para o maior acesso de negros a este curso”, comemora o reitor da Zumbi.

Curiosidade

Faça a seguinte pesquisa: digite a frase “veterinários negros” em um site de busca e tente encontrar uma única imagem de alguém com o jaleco típico da profissão, tratando de um animal. Você não achou. Agora refaça a busca digitando apenas a palavra “veterinário”. Mais uma vez o resultado será o mesmo: nenhum negro.

Isso denota, numa análise rasa, que há profissões onde de fato a presença de negros é ínfima, ou ainda, que o imaginário social não atribui ao negro destaque na área em questão, não considerando desta forma que a imagem do mesmo seja atrelada à profissão.

No entanto, se você pesquisar pela imagem com a frase em inglês – veterinaryblack – conseguira fotos de negros prestando atendimento à animais. O que, em certa medida, demonstra o quanto as HBCU’s (Universidades Historicamente Negras), que têm mais de 150 anos de história nos Estados Unidos, foram significativas para o acesso de negros à instituições de ensino superior. A foto que ilustra esta matéria é de uma publicidade de HBCU’s que oferecem o curso de veterinária naquele país.

Confira o site com a divulgação dos cursos de veterinária em universidades negras nos Estados Unidos, aqui.

Crédito do texto: Por Maria Luíza Paulino

Crédito da Foto: Divulgação HBCU