Suicídio na população afrodescendente

Número de atentados contra a própria vida é maior entre negros

0
564

Suicídio por si só já é um tema delicado! Uma espécie de tabu entre as pessoas! A própria imprensa, comumente, procura não divulgar muitas notícias sobre suicídio partindo da premissa de que isso possa incentivar outros casos.

Neste mês acontece o Setembro Amarelo, uma campanha de conscientização do suicídio, com o objetivo de alertar a população a respeito da realidade do suicídio no Brasil.

 

Segundo dados recentes do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea), em levantamento junto ao Fórum Brasileiro de Segurança Pública, a taxa de homicídios da população negra no Brasil superou em quase 2,5 vezes a da população não negra. Os dados são provenientes do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística do Ministério da Saúde e mostra também que, enquanto a taxa de homicídios dos não negros caiu 12,2% entre 2005 e 2015, a de negros subiu 18,2%.

Se falar em suicídio já é complexo, que dirá tratar este tema cujos números recaem com maior expressão sobre uma determinada população.

Basta assistirmos a tantos filmes que abordam a temática da escravatura para entendermos que os negros se matavam com grande frequência quando a escravidão ainda não havia sido abolida. Pudera! Na tentativa de buscar refúgios da escravidão sem sucesso, nas tantas tentativas de fugir dos açoites, na ausência de esperanças, só restava a única fuga certeira: a morte por meio do suicídio.

Mas, e atualmente, quando a escravatura já fora abolida (ainda que com tantas problemáticas de intolerância e desigualdade racial)? O que levaria a uma taxa de suicídio maior em uma população específica?

Se no passado o negro se matava buscando a libertação de seu corpo e alma, nos dias atuais ele se mataria, em tese, pela falta de perspectivas de uma sociedade que ainda avalia caráter, qualificações profissionais pela cor da pele? Será que é no suicídio que essa população vê seus dramas solucionados?

O Setembro Amarelo é para todos aqueles que podem vir a ser potenciais suicidas, negros, brancos, orientais, para todas as “pessoas”.

Contudo, é preciso entender, afinal, por que os negros estão se matando mais do que os não negros. Qual a sua opinião?