Festival de Cinema de Brasília: dois dos premiados nesta edição são atores negros

Valdinéia Soriano foi premiada como melhor atriz e Alexandre Sena melhor ator coadjuvante

0
336
Valdinéia Soriano em Café com Canela

Valdinéia Soriano, atriz da tradição do Bando de Teatro Olodum desde a sua fundação na década de 90, foi premiada no último domingo (24), no 50º festival de Cinema de Brasília na categoria de melhor atriz. Ela foi protagonista no filme baiano “Café com Canela”, que também venceu nas categorias Melhor Roteiro com Ary Rosa e Prêmio Petrobras de Cinema pelo júri popular, com direção de Glenda Nicácio e novamente Ary Rosa.

O ator mineiro Alexandre Sena, que vem do grupo de teatro Espanca, atuou no longa metragem “O Nó do Diabo” dirigida por Ramon Porto Mota, Gabriel Martins, Ian Abé e Jhésus Tribuzi e foi o vencedor na categoria Melhor ator coadjuvante. O filme, que trabalha o protagonismo negro, se divide em cinco narrativas com início em 2018 e retorno a 1818 também evidencia o sofrimento do negro tanto no presente com marcas do passado, quanto no passado com as violações da escravidão. Faz parte do elenco da montagem a atriz homenageada no Troféu Raça Negra deste ano, Zezé Motta.

Nas redes sociais, as parabenizações de colegas de profissão foram recorrentes. O ator Sidney Santiago publicou orgulhoso sobre a conquista dos dois atores negros no festival:

“É com grande felicidade que anunciamos que os dois melhores atores do Festival de Cinema de Brasília, o melhor Festival do país são negros: Valdinéia Soriano, melhor atriz pela sua interpretação em ” Café com Canela” e Alexandre de Sena, por seu desempenho no filme ” O Nó do Diabo”, além deles serem ótimos atores, ambos possuem uma atuação reconhecida no Teatro Brasileiro, em especial dentro da investigação das poéticas negras. Valdinéia é representante do Bando de Teatro Olodum, e Alexandre membro do Grupo mineiro Espanca. Ambos fazem parte do Fórum da Performance Negra. Estamos felizes por eles. Viva!