Beleza, conceitos e preconceitos

De volta à FlinkSampa escritora conta detalhes sobre participação no evento

0
81

Desde sempre o belo atrai os nossos sentidos: gostamos ou não das imagens que vemos e pronto! Como explicar isso? Por que esta imagem e não aquela? Por que gosto desta pessoa e daquela tenho medo? Em que momento essas referências foram plantadas em nosso inconsciente? Este são alguns dos assuntos que vou abordar nas oficinas e encontros de que estarei participando na FlinkSampa.

O ano de 2017 é muito importante para mim, pois estamos a poucos dias da comemoração de 10  anos do lançamento da obra que inovou totalmente o imaginário e o lúdico no Brasil: o conto de fadas Princesa Violeta, lançado em 23 de fevereiro de 2008.  Posso falar, seguramente, que foi a primeira princesa negra, o primeiro casal de príncipes negros, a primeira obra literária infantil com todos os protagonistas (reis, rainhas, fadas, gênios) negros, tratando de temas universais como a luta do bem contra o mal, o empoderamento feminino, o perdão, o machismo, a regeneração, a valorização dos idosos, entre outros. Todos envoltos na magia e delicadeza de um conto de fadas.

Lá se foram mais de 100 visitas a escolas, instituições, feiras literárias, eventos, prêmios e reconhecimentos! Também já naveguei por outros mares, como o da música. E, nosso foco agora, enquanto editora, é transformar a Princesa Violeta em filme, em série e em musical, bem como colocar pelo menos um exemplar dessa obra em cada escola e biblioteca do Brasil. Para isso parceiros são bem-vindos!

Estar em São Paulo tem um sabor todo especial, pois lançamos Princesa Violeta no RS e em SP no mesmo ano. No RS, a estreia foi marcada com o lançamento do livro e com a apresentação do espetáculo “Contando e Cantando Princesa Violeta” no Festival de Teatro Porto Verão Alegre, cuja versão em formato de contação de história apresentarei no dia 16 de novembro na Flinkinha. Após Porto Alegre tivemos a honra de trazer Princesa Violeta para a Bienal Internacional do Livro de SP, em parceria com a Editora Limiar.

Em relação à FlinkSampa, tenho um carinho mais do que especial por ela,  pois  a inauguramos,  participando de sua primeira edição com sessão de autógrafos, contações de histórias e de entrevistas, tudo voltado ao público infantil. Agora retorno para conversar com as minhas crianças e também com os adultos. Acho que essa conversa com pais e professores é de grande importância, pois a visão de adultos e de crianças sobre o mundo lúdico é muito diferente. Para aqueles, é pura fantasia; para estas é seu “mundo real”. Através desse mundo de fantasias, instrumentalizamos nossas crianças para viverem no mundo real, nomeando seus sentimentos, construindo seu vocabulário e lhes oferecendo modelos a serem seguidos.

E, para tanto, um desses modelos é a imagem. Estar representada esteticamente no mundo lúdico faz com que a criança  se sinta  pertencente ao mundo real, da mesma forma que não estar representada suscita um sentimento de inadequação ao seu próprio mundo. Em contrapartida, o resultado na criança que se vê nesse espaço o tempo todo é uma sensação inconsciente de dominação sobre o mesmo, onde não cabem pessoas que são diferentes dela. E, quando, no mundo real, se depara com pessoas “diferentes” das que ocupam o seu universo lúdico, há estranhamento, despertando reações nem sempre positivas.

Os contos de fadas, os heróis e os brinquedos se comunicam com as crianças de uma forma muito intensa e transformadora, formando seus conceitos e também preconceitos. Daí a importância de termos contos de fadas, heróis e brinquedos com personagens que representem a diversidade estética do povo brasileiro. Povoando o universo de nossas crianças com a diversidade, quando em contato com o mundo real, entenderão que este mundo é de todas as cores, texturas e sentimentos, o que refletirá em sua vida adulta, moldando seu relacionamento pessoal e social.

Estarei na FlinkSampa em 3 momentos:

Programação literária: QUINTA-FEIRA, dia 16/11 às 11h

Viver com Humor e Literatura

Elisa Lucinda, Jarid Arraes, Veralindá Ménezes, Helio de la Peña

Mediação: Marcia Bulcão

Flinkinha: QUINTA-FEIRA, dia 16/11 às 15h

Contando e Encantando com a Princesa Violeta

Veralindá Ménezes

Oficina para Professores: SÁBADO, 18/11 às 16h

A influência dos heróis e dos contos de fadas na formação de seres humanos livres de preconceitos

Veralindá Ménezes

Em nosso site a criança poderá interagir com os personagens, brincando, jogando ou desenhando: www.princesavioleta.com.br.

A Príncipes Negros Cultural, editora e produtora da família Menezzes, além da Princesa Violeta, tem outros produtos e outros artistas. Veja em www.principesnegros.com.brContatos através dos e-mails: veralindamenezes@gmail.com principesnegros@gmail.com.

 

Por Veralindá Ménezes –  escritora e mãe da atriz Sheron Menezzes, para quem escreveu o livro Princesa Violeta, a fim de auxiliar a filha a combater o racismo e a reconhecer a identidade negra de forma positiva.