Unicamp aprova vagas pelo Enem a partir de 2019 e regulamenta as cotas étnico-raciais

Sessão do Conselho regulamenta também a implementação de cotas e o vestibular indígena

0
37

Nesta terça-feira (21) o Conselho Universitário da Unicamp (Consu) regulamentou uma proposta de democratização do ingresso, por meio de uma alteração no vestibular, que prevê outras formas de acesso como cotas, Enem, vestibular indígena e vagas para medalhistas de competições científicas.

As medidas serão válidas para os ingressantes a parir de 2019. Um total de 80% das vagas serão oferecidas pelo vestibular tradicional e dessas 15% estarão reservadas para autodeclarados pretos ou pardos. Já os 20% restantes, serão destinados para ingressantes via Enem. E desses, 10% serão oferecidos a alunos de escolas públicas e os outros 10% ligados a critérios raciais além do critério de escola pública. A divisão será de 5% para estudantes pretos ou pardos da rede pública e 5% para estudantes pretos ou pardos.

As vagas via Enem, ao invés de serem promovidas pelo Sistema de Seleção Unificada – o Sisu, será feita por um sistema próprio que levará em conta o desempenho do candidato no Enem, mas, que ainda deverá ser regulamentado via edital.

Mais uma medida aprovada no Consu é o vestibular indígena. Em 2019 e 2020 a deliberação será facultativa, mas a partir de 2021 todos os cursos da universidade devem adotar o sistema de ingresso. O plano pretende criar uma reserva de até duas vagas em 16 cursos: medicina, ciências biológicas, farmácia, enfermagem, educação física, nutrição, ciências sociais, letras, linguística, pedagogia, história, filosofia, administração, comunicação social/midialogia e engenharia agrícola.

Outra alteração será feita no programa de bônus da universidade o Programa de Ação Afirmativa e Inclusiva (Paais), que prevê agora acréscimo de 40 pontos para estudantes que cursaram todo ensino médio em escola pública e 20 pontos para os que cursaram todo ensino fundamental 2 na rede pública. Com essa mudança esse sistema deixa de abranger autodeclarados pretos, pardos ou indígenas.

Por último, serão criadas também vagas extras para estudantes destaques, medalhistas, em olimpíadas nacionais de conhecimento, como a Olimpíada Brasileira de Matemática e a Olimpíada Brasileira de Física.