Pantera Negra estreia nesta quinta, 15

Nas redes sociais influências como o historiador Carlos Machado complementam informações sobre a cultura africana

0
16

No enredo o foco é a história de T’Challa, príncipe do fictício reino de Wakanda, personagem  interpretado pelo ator Chadwick Boseman.

Na trama T’Challa ainda perde seu pai e em uma viagem aos Estados Unidos, conhece os Vingadores, super heróis como ele, que tem como superpoderes a velocidade, a inteligência e os sentidos apurados.

No entanto, o Pantera Negra não é somente um super herói, ele é um nobre, cercado pelas mulheres que são defensoras de seu trono e as responsáveis pela tecnologia.

O filme “Pantera Negra” tem estreia marcada para o dia 15 de fevereiro e já é conhecido como o primeiro a ter elenco principal majoritariamente negro e como o primeiro projeto dos estúdio Marvel a ser protagonizado por um negro.

Nas redes sociais figuras como o historiador Carlos Machado apontam elementos do filme que se relacionam com a cultura africana:

“Hoje trago mais um elemento importante para se entender o filme Black Panther: o cumprimento entre os irmãos T´Challa e Shuri. O cumprimento é uma criação da produção, que é um cumprimento secreto, mas a base vem do Antigo Egito (Kemet). Quando a pessoa morria os braços cruzados indicavam a classe social da múmia. Originalmente, era um sinal de realeza. Somente o faraó seria enterrado com os braços cruzados. Durante a ocupação de Roma no Egito, a prática tornou-se comum em múmias de classe popular também”, descreveu o historiador.