Carnaval 2018: enredos dão destaque para ancestralidade negra no sábado de ensaios no Anhembi

Neste sábado (13) escolas do grupo de acesso e do especial fizeram um ensaio técnico acompanhado das torcidas que encheram arquibancadas

0
358
Os ensaios deste sábado (13) levaram ao Sambódromo do Anhembi 7 escolas de samba, duas do grupo de acesso, Imperatriz Albertinense e Colorado do Brás, e as outras cinco do grupo especial Nenê de Vila Matilde, Unidos de Vila Maria, Rosas de Ouro, Gaviões de Fiel e Vai-Vai.
A Colorado do Brás, que foi uma das primeiras a ensaiar passou pela avenida com cerca de mil componentes de acordo com a Liga das Escolas de Samba de SP. O enredo da escola canta através das crenças a ancestralidade africana: “Axé – Caminhos que levam a Fé”. A composição é dos autores Marcio Pessi, Edson Dafféh, Gilson Caffé, Magrão da Caprichosos e Hermes Sobral e o intérprete Zé Paulo Sierra.

 

Ensaio Técnico da Colorado do Brás – Foto -Wadson Ferreira

Em seguida foi a Nenê de Vila Matilde quem ensaiou levando também tema relacionado ao resgate da ancestralidade africana, com o enredo almeja conduzi-la no retorno ao grupo especial: “Epopeia Africana”. A escola traz de volta o carnavelesco Lucas Pinto, que já esteve à frente da agremiação em 2009 e também da Tom Maior quando esta
voltou ao grupo especial.

Fechando a noite de ensaios a Vai Vai, que este ano homenageia Gilberto Gil no desfile, também não deixa de falar da fé. O enredo inspirado na canção do homenageado chamada “Andar com fé” tem na letra trechos de canções famosas de Gil e exalta a fé do cantor nos orixás. A escola levou ao Anhembi cerca de 2800 componentes.

Os ensaios técnicos seguem nos próximos finais de semana e têm entrada gratuita. Confira a programação completa no site da Liga das Escolas de Samba de SP.
*Fotos e videos SRzd