Pequena filmografia – Lei Áurea em frames

0
113

Os 130 anos da Abolição da Escravatura, no Brasil, é um marco na História Nacional. Pensando nisso, filmes que retratam o período da escravidão brasileira e em outros países estão nesta pequena mostra. São 13 películas que trazem de diferentes formas esse período tão cruel: embora o conteúdo seja recheado, às vezes, de muita dor (dependendo do cineasta) o legado deixado é de aprendizado e resiliência.

“Quilombo

Cacá Diegues dirige este filme brasileiro de 1984 sobre a história que se passa por volta de 1650, em um engenho de Pernambuco. Escravos rebelados seguem rumo ao Quilombo dos Palmares, local de resistência de escravos fugitivos contra os senhores das fazendas e lá passam as agruras próprias de quem contesta o sistema vigente. A obra foi indicada à Palma de Ouro, no Festival de Cannes.

“Ganga Zumba”

Ganga Zumba é o jovem líder de uma comunidade de negros, que fogem da escravidão, e se mantém, em um engenho de cana-de-açúcar nordestino, entre os séculos XVI e XVII. Os escravos tramam uma fuga na Serra da Barriga, liderados por Ganga Zumba.

“Quanto Vale ou É Por Quilo?”

“Quanto Vale ou É Por Quilo?” tem direção do cineasta Sérgio Bianchi. No século XVII, um capitão-do-mato captura uma escrava fugitiva, que está grávida. Entregue ao dono, ela aborta o filho que espera.

“Cafundó”

Cafundó é o filme que retrata a lenda do religioso João de Camargo (interpretado por Lázaro Ramos), que viveu nas senzalas no século XIX. Nhô João, como era conhecido, deixa de ser escravo e fica deslumbrado com a transformação do mundo ao seu redor. O choque de realidades diferentes o faz ter alucinações e se achar capaz de ver Deus. A mistura de suas raízes negras com os preceitos da civilização judaico-cristã se juntam em sua cabeça, e ele passa a se portar como um curandeiro. Ele constrói uma igreja no interior de São Paulo e ali traz alento para os enfermos da região de Sorocaba. Pode-se dizer que daí surgiu parte da lenda dos Pretos Velhos.

“Xica da Silva”

Retratada em filme de 1976, Xica da Silva (interpretada por Zezé Motta) era uma escrava que seduziu o milionário João Fernandes (Walmor Chagas) e se tornou alta dama na sociedade de Diamantina, Minas Gerais, na segunda metade do século XVIII. Rica, passou a promover festas luxuosas e recebeu até grupos de teatros europeus. Tais banquetes fizeram sua fama chegar à corte portuguesa.

“Sinhá Moça”

Clássico romance, ambientado no final do século XIX, no interior de São Paulo. Filha de um rico fazendeiro escravocrata, volta da capital com ideias abolicionistas e entra em conflito com o pai quando um dos escravos se revolta contra os maus tratos e é severamente punido, o que inicia uma luta violenta dos demais. Dirigido por Tom Payne, em 1953, o filme foi destaque nos festivais de Veneza e Berlim, contando com uma grande atuação da atriz brasileira Ruth de Souza, como a escrava Sabina.

“A Negação do Brasil”

Interessante documentário, feito em 2000, descrevendo a participação de negros nas novelas de televisão – principalmente da Rede Globo. Traz também reflexões sobre os papeis coadjuvantes e estereotipados dos negros, além de dissecar os personagens de maior destaque.

“Cruz e Souza, o Poeta do Desterro”

Biografia do poeta catarinense Cruz e Souza ( 1861-1898), fundador do simbolismo no Brasil. Negro altivo e orgulhoso de sua raça, não foi aceito pelos meios acadêmicos da época – um filme com enredo difícil, mas bom, de Sylvio Back.

“Besouro – O Filme”

No interior da Bahia dos anos 1920 os negros ainda eram tratados como escravos, apesar da Abolição da Escravatura, ocorrida há mais de 30 anos, quando do surgimento de mestre Besouro, que aprendeu a capoeira com seu tutor na infância, com a qual passa a defender seu povo.

“12 Anos de Escravidão

Vencedor dos Oscars de Melhor Filme, Melhor Roteiro e Melhor Atriz Coadjuvante (Lupita Nyong’o), “12 Anos de Escravidão” foi dirigido pelo britânico Steve McQueen, que apontou  suas lentes para a história de Solomon Northup, um homem negro livre que foi sequestrado e vendido como escravo nos EUA, antes da Guerra Civil.

“Amistad”

Filme clássico sobre o assunto, “Amistad” dirigido por Steven Spielberg se passa na costa de Cuba, em 1839. No épico, dezenas de negros escravos se libertam das correntes e assumem o comando do navio negreiro La Amistad. O filme foi indicado a quatro Oscars.

“Lincoln”

Steven Spielberg escalou Daniel Day-Lewis para interpretar o ex-presidente norte-americano Abraham Lincoln: o britânico levou o Oscar de Melhor Ator, que ainda se somou à estatueta de Melhor Direção de Arte levada pelo filme. A narrativa traz a Guerra Civil Americana, que culminou com a abolição dos escravos, perpetrada por Lincoln.

“Diamante de  Sangue”

Mesmo que já estejamos no século XXI, em muitos locais, inclusive no Brasil, trabalhadores ainda são mantidas como escravos. Neste filme de Edward Zwick, a lamentável condição de trabalhadores-escravos de Serra Leoa foi revelada.