Campanha alerta sobre importância do atendimento rápido em caso de AVC

Dor de cabeça intensa é um dos sintomas e cada minuto sem ajuda médica corresponde a 1,9 milhão de neurônios a menos

0
149

acidente vascular cerebral (AVC) é a segunda maior causa de morte no mundo, segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), ficando atrás da doença isquêmica cardíaca. Juntas, elas mataram 15,6 milhões de pessoas em 2016 e lideram o ranking mundial nos últimos 15 anos.

Provocado pelo rompimento ou obstrução de um vaso sanguíneo no cérebro, o AVC é uma emergência médica e, por isso, o tempo é fundamental para evitar possíveis sequelas graves.

Especialistas apontam que cada minuto sem ajuda médica corresponde a 1,9 milhão de neurônios a menos.

Pensando nisso, a Rede Brasil AVC e a Sociedade Brasileira de Doenças Cerebrovasculares (SBDCV) se uniram para lançar a campanha A Vida Conta – Cada minuto faz diferença, que alerta sobre a importância do atendimento rápido em casos de AVC.

Nesta sexta-feira, 8, a Ponte Estaiada, na zona oeste da capital paulista, terá sua iluminação reduzida a partir das 19 horas – uma alusão à perda gradativa de neurônios – e, depois, um vídeo de conscientização será projetado na coluna da ponte.

Ponte Estaiada foi iluminada durante campanha que alerta sobre importância do antendimento rápido em caso de AVC.
Ponte Estaiada foi iluminada durante campanha que alerta sobre importância do antendimento rápido em caso de AVC. Foto: Fellipe Russo/Imagem cedida por Tino Comunicação

O tempo se mostra essencial para definir o tratamento adequado. A trombólise, por exemplo, que é a dissolução do coágulo no vaso sanguíneo com prescrição de medicamento, é uma importante opção nos casos de obstrução.

“Até quatro horas e meia, a gente faz o tratamento com remédio, depois disso não. Se a pessoa chega com até uma hora [após o início dos sintomas], a chance de sequelas é nenhuma”, afirma Sheila Martins, médica neurologista e presidente da Rede Brasil AVC.

No caso do AVC hemorrágico, em que há rompimento do vaso sanguíneo, a especialista diz que não há remédio específico, mas é dado ao paciente um medicamento para baixar a pressão a fim de não haver piora na área em que ocorre o sangramento.

Fique atento. Assim, é importante saber a hora aproximada do início dos sintomas, que incluem formigamento na face, no braço ou na perna – principalmente em apenas um lado do corpo -, dificuldade para falar e compreender a fala, alteração na visão e dor de cabeça súbita, intensa e sem causa aparente.

Caso o atendimento não seja rápido, os problemas podem se agravar e incapacitar a pessoa, dependendo da parte do cérebro que foi comprometida. “Pode ficar sem falar, sem compreender, um lado do corpo pode paralisar, a pessoa não consegue caminhar e pode não reconhecer os familiares”, diz Sheila. Segundo ela, 70% das pessoas que não recebem atendimento a tempo não conseguem retornar ao trabalho.

Segundo a SBDCV, 90% dos casos de AVC podem ser evitados, basta que a pessoa controle alguns fatores de risco, tais como: tabagismo, obesidade, colesterol alto, pressão alta, fibrilação atrial, diabetes e estresse crônico.