Mulheres negras sofrem com desigualdade no acesso à saúde

Elas acumulam os piores indicadores sociais e econômicos

0
258

Hoje é o dia mulher negra, latino-americana e caribenha. Uma data criada para celebrar, mas também para denunciar problemas que atingem este grupo. No Brasil, as mulheres negras acumulam os piores indicadores sociais e econômicos. Entre as denúncias, a saúde precária, já que o acesso à saúde para as mulheres ainda é desigual quando se leva em conta a cor da pele.

Segundo dados da Pesquisa Nacional de Saúde (PNS), o exame de mamografia é realizado por 66,2% das mulheres brancas. Entre as pretas, este número cai para 54,2%. A diferença também aparece no exame pré-natal: 84,9% das mães brancas fazem pelo menos seis consultas, como recomenda o Ministério da Saúde. Entre as negras, a estatística cai para 69,8%.

Assista: