Mamãe eu quero mamar

0
141

Não só os bebês querem, mas devem sim mamar. Por mais absurdo que possa parecer ainda há mulheres que optam por não amamentar seus filhos pelos mais variados motivos. No entanto o principal motivo acaba sendo deixado de lado: a saúde do bebê.

Para que todas as dúvidas possam ser sanadas de uma vez por todas o Afrobrasileiros conversou com uma Nutricionista para explicar tim-tim por tim-tim e o quanto o leite materno é benéfico na primeira infância com reflexos na vida adulta.

A começar pelas doenças que o leite materno previne.

“O leite materno melhora a digestibilidade do bebe, estabelece o sistema imunológico, protege contra bronquite, diarreia, pneumonia, otite e inflamação de garganta. Além de desenvolver e fortalecer a formação mandibular e o desenvolvimento da arcada dentaria do bebe”, detalha a Dra. Ana Lopes Antunes, nutricionista.

Até os primeiros seis meses de vida a criança deve ingerir somente leite materno.

“O aleitamento materno exclusivo supre todas as necessidades do bebê nos primeiros meses. Contem a quantidade necessária de água para hidratação, ferro, proteínas, vitaminas, sais, cálcio, fósforo e gorduras. E ainda uma enzima chamada lipase que ajuda a criança a digerir as gorduras”, avalia a Dra. Ana.

Mesmo atribuindo outros alimentos à dieta do bebê, não se deve extinguir o leite materno. “A OMS (Organização Mundial de Saúde), recomenda que se amamente até que os pequenos completem dois anos de idade”, observa a nutricionista.

Algumas mamães acham o leite é ralo, porém de acordo com a especialista “não devem se preocupar, pois esse leite é suficiente para manter seu bebê alimentado e hidratado”.

Mesmo o leite congelado, usado principalmente pelas mães que trabalham, é importante.

“Qualquer alimento quando congelado perde algumas propriedades e nutrientes. Mesmo assim, o leite materno ainda continua sendo o melhor alimento a ser oferecido para o bebê”, afirma.

E por fim uma criança amamentada com leite materno pode desenvolver-se melhor em diversos aspectos.

“No desenvolvimento cerebral e cognitivo, isto porque contribui com a inteligência da criança e também auxilia numa dentição mais forte”, conclui a nutricionista.