Afrontosa: Subversiva e divertida, Cacete Company é a nova aposta da SPFW

Marca mineira participou do Projeto Estufa antes de estrear no calendário oficial da semana de moda paulista

0
1590
A Cacete Company faz roupas de baixo divertidas e para serem vistas Foto: Estudio Bingo/ Cacete Company/ Divulgação

A Cacete Company, uma marca divertida e subversiva voltada ao público LGBT se prepara para alcançar o público mainstream: na próxima sexta, 26, eles irão estrear no calendário oficial da São Paulo Fashion Week, apresentando suas roupas provocativas ao grande público da maior semana de moda da América Latina.

“Continuamos com o foco no street e no underwear, mas agora fazendo uma coisa inédita: usar cores”, adianta Raphael Ribeiro, sócio da marca ao lado de Tiago Carvalho. “A marca deu mais um passo, temos agora peças de alfaiataria, que são sexy e chique. Mas continuamos com a pegada de gozação, com estampas e acessórios divertidos.”

Para esta temporada de moda, a grife apresenta a coleção de verão 2019, inspirada no mood pós-pornô e fetichista dos anos 1990. “Nos adaptamos a sazonalidade da SPFW e vai ser no formato ‘see now/buy daqui a pouquinho’. O lançamento está programado para o dia 10 de novembro”, conta.

Mas a grife não é total desconhecida do grande público. Em 2017, desfilou na semana de moda paulista como parte do Projeto Estufa, incubadora de novos talentos do evento. No mesmo ano, a cantora Pabllo Vittar estrelou o clipe de K.O. usando um top da grife. “Pabllo Vittar é para a Cacete Company o que a Madonna é para o Jean-Paul Gaultier”, brinca Ribeiro. “Ela era uma artista do nicho LGBT e o clipe foi o ponto de virada da carreira dela, pegamos uma carona.”

O top usado pela cantora foi justamente por onde a marca começou: pela underwear. Roupas íntimas (principalmente masculinas) foram a aposta inicial de Raphael e Tiago, que fundaram a grife em 2015. “Sentimos que era um setor pouco explorado, não tinha marca que fazia underwear diferenciado para homens. “A primeira coleção tinha dez peças, super enxuta.”

Hoje, a Cacete Company faz também roupas e acessórios, que misturam o sexy (com transparências e micro comprimentos) com o divertido, e possuem preços mais acessíveis do que o da média das marcas da SPFW. Uma parka de poliéster, por exemplo, custa R$ 1,6  mil (na promoção está por R$ 800) e um top R$125. As vendas são feitas apenas pelo site da marca e no showroom, localizado no centro de Belo Horizonte, com hora marcada. “Sabemos que o desfile é um ponto positivo, mas não muda a vida de ninguém. Queremos que as nossas roupas ganhem a rua”, finaliza o estilista.