Enem 2018: conheça regras e curiosidades do Exame Nacional do Ensino Médio

O que pode eliminar do Enem? Como usar a nota? Veja perguntas e respostas sobre a prova brasileira

0
1835
Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) acontece nos dias 4 e 11 de novembro Foto: Sérgio Castro/Estadão

O Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) acontece nos dias 4 e 11 de novembro. Os estudantes que irão participar da prova devem estar cientes do que pode eliminar um aluno, além dos documentos válidos para apresentar no local de aplicação e das regras de uso da nota após a divulgação dos gabaritos, prevista para 14 de novembro.

Para ajudar os alunos na preparação para a maior prova do Brasil, o Estado preparou perguntas e respostas sobre o Enem 2018. Apesar de continuar dividido por cores, o exame agora será impresso com nome e inscrição do candidato na capa para reforçar a segurança. Para quem deseja estudar no exterior, o Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas (Inep) fechou para este ano convênio com mais de 30 instituições de Portugal para aceitarem as notas do exame.

Como são feitas as questões do Enem?

A elaboração das questões do Enem começa com a publicação de uma chamada pública para a seleção de colaboradores. Após escolhidas as equipes das quatro áreas de conhecimento, os especialistas passam a produzir as perguntas de acordo com os parâmetros e regras do Inep.

Todas as questões feitas passam pela avaliação de um revisor técnico-pedagógico e por especialistas antes de entrar para o Banco Nacional de Itens (BNI), em que todas as perguntas ficam armazenadas. Além disso, um pré-teste é realizado com um grupo semelhante ao público do Enem para avaliar a dificuldade de cada questão.

Como é criada a prova do Exame Nacional?

Para compor a prova do Enem, o Inep leva em consideração índices obtidos no pré-teste de questões. Dessa forma, o exame recebe conteúdos de temáticas, habilidades e dificuldades variadas. No final de cada primeiro semestre, as perguntas que irão formar o teste oficial são definidas.

Para garantir que não ocorra vazamento, um arquivo com a prova e o tema da redação é enviado de avião para a gráfica de segurança máxima escolhida pelo Ministério da Educação (MEC). A senha para acessar o documento é levada para o local por outro servidor, em uma aeronave diferente.

A impressão e a liberação das provas são feitas após a organização dos participantes em salas. Dessa forma, os exames, a partir do Enem 2018, saem da gráfica separados por local de aplicação, incluindo nome do candidato e número de inscrição na capa. O novo formato, que ainda será dividido em cores como nos anos anterior, promete aumentar a segurança.

Quais documentos são aceitos?

Para ser autorizado a fazer a prova, o aluno deve apresentar um documento original de identificação com foto. Cópias simples, autenticadas, documentos sem fotos ou em formato eletrônico não são aceitos. Caso tenha sido roubado ou perdido a documentação, é permitido apresentar um Boletim de Ocorrência de no máximo 90 dias antes do primeiro dia de exames (4 de novembro).

Entre os documentos válidos, o Inep lista as cédulas de identidade (RG), Carteira de Trabalho, Certificado de Reservista, Passaporte, Carteira Nacional de Habilitação e Identidade funcional. Para estrangeiros, a documentação expedida pelo Ministério da Justiça para refugiados e a Carteira de Registro Nacional Migratório também podem ser usadas para entrar no Exame.

Caso um aluno chegue ao local de provas sem um documento, pode esperar a documentação do lado de fora da sala até o fechamento dos portões, às 13h. Após o horário, será considerado eliminado.

Quais são as regras e o que pode eliminar da prova?

Diversos motivos podem gerar a eliminação de um estudante durante o Enem. Entre os principais estão a falta de apresentação de um documento original com foto, a chegada ao local após o fechamento dos portões e o diálogo com qualquer pessoa que não seja o aplicador ou fiscal depois do início do exame.

O uso de aparelhos de comunicação, eletrônicos, livros, anotações e acessórios que cubram os cabelos ou as orelhas também são proibidos. Os últimos casos incluem óculos escuros, boné, chapéu, viseira e gorro, segundo o Inep.

Uma regra importante, que deve ser conferida por todos os alunos com antecedência, é o tipo e a cor de caneta para usar durante a prova. Os estudantes precisam utilizar apenas caneta esferográfica preta produzida em material transparente.

Como usar a nota do Enem?

O resultado do Enem pode ser usado pelos alunos para o ingresso tanto em instituições públicas como em universidades privadas. O Sistema de Seleção Unificada (Sisu) é o principal para quem pretende uma vaga no ensino superior gratuito e pode receber todos os alunos que fizeram o exame e não tiraram nota zero na redação.

Para os estudantes interessados em instituições particulares, o Programa Universidade para Todos (ProUni) oferece bolsas de estudo integrais e parciais para alunos com pelo menos 450 pontos na média das notas, também sem zerar a redação. Há ainda o Fundo de Financiamento Estudantil (Fies), que cobra a mesma pontuação do ProUni.

Entre os programas do governo federal disponíveis para usar a nota do Enem, os alunos também podem aproveitar o Pronatec para formações técnicas em cursos gratuitos. Individualmente, algumas faculdades particulares nacionais também aceitam a pontuação do Exame Nacional.

Como usar o Enem para estudar no exterior?

Quem deseja estudar fora do Brasil pode tentar entrar, com ajuda do Enem e de convênios oficiais do MEC, em mais de 30 instituições de Portugal. Além disso, universidades de países como Canadá, França, Irlanda e Reino Unido aceitam a pontuação do exame em processos seletivos.

Para as universidades portuguesas, os estudantes devem realizar inscrições pela internet no site da instituição escolhida. Os alunos não podem residir em Portugal há mais de 2 anos ou serem de algum país membro da União Europeia. As notas de corte são definidas por cada unidade, de forma autônoma dos processos brasileiros.