O que a baiana tem? Teomila Veloso Santos

Nascida em Muritiba, na Bahia, é dona do Point do Acarajé da Mila, em Paraisópolis.

0
5692

Das muitas experiências em supermercados e padarias, a baiana tirou o aprendizado sobre diferentes funções dentro de um negócio. Em busca de melhores oportunidades, Teomila mudou-se com o marido e a filha para São Bernardo do Campo e posteriormente para Paraisópolis. Pela manhã, se dedicava a construir a casa onde mora atualmente, e à tarde preparava e vendia acarajé para custear a obra. Encontrou no seu dom de cozinhar e, no típico paladar baiano, uma oportunidade de empreender, criando o point, que já foi reconhecido em 2016 e 2017 como o melhor acarajé de São Paulo.

Como começou a sua carreira?

Foi quando fiquei desempregada. Procurei por uma conselheira espiritual, quem me conduziu com a ideia de empreender e ter o meu negócio vendendo acarajé.

Como é formatado o modelo de negócios do Point do Acarajé da Mila? 

Quando comecei a vender acarajé, tinha uma barraquinha que montava e desmontava todos os dias. Até que consegui estruturar uma barraca fixa, porém, em 2017, houve uma remoção realizada pela prefeitura e perdi o espaço. Atualmente, uso um trailer, que possibilita, inclusive, atender melhor meus clientes.

Qual foi o momento mais difícil da sua carreira?

Quando comecei, tive muita dificuldade em mostrar ao público o meu produto. Pensei em desistir, e foi  com os bons conselhos que recebi, que tive a ideia de dar bolinhos gratuitos para as pessoas que passavam, para que elas conhecessem o que eu estava cozinhando. Também quando fui removida do local em que estava, e sem nenhum apoio do poder público para me instalar em outro local.

 

Como você consegue equilibrar sua vida pessoal x vida corporativa/empreendedora. 

Eu vejo minha vida, atualmente, de forma maravilhosa. Tenho o apoio de meu marido Ronaldo e das minhas filhas, que me ajudam muito.

Qual o seu maior sonho?

Meu grande sonho é ter um espaço maior para o meu comércio, com uma estrutura que me permita atender melhor os clientes e, futuramente, exportar o acarajé, tornando-o mais conhecido e valorizado.

Qual a sua maior conquista?

São algumas: ter saído de Muritiba para São Paulo. Abrir o meu comércio e fazê-lo ser reconhecido como o melhor acarajé de São Paulo em 2016/2017. E, claro, ter escrito a minha biografia, dentro do projeto do Biografias Colaborativas.

Mulher que admira:

Minha mãe, Marlene Veloso Santos.